Estilos musicais brasileiros: os 6 principais gêneros do país

      Comentários desativados em Estilos musicais brasileiros: os 6 principais gêneros do país

Vamos começar esse texto com uma afirmação importante: não existe nada como a música brasileira.

Poucos países podem ser orgulhar de ter uma história musical tão incrível, que influenciou o resto do mundo, como a do Brasil.

Pensa com a gente: de Tom e Vinícius ao Clube da Esquina, passando por Cartola, Gonzaguinha, Elis Regina, Tião Carreiro e Pardinho… Quantos artistas e estilos incríveis existem na nossa terra!

Esse é o nosso papo de hoje — vamos falar um pouco dos estilos musicais que mais marcaram o Brasil nos últimos tempos, além de seus principais nomes. Vem ver!

Estilos musicais brasileiros

Talvez um fator importante tenha sido a mescla de culturas que formaram o nosso país: com os ritmos e cantos africanos, as músicas eruditas europeias e até os ritos tradicionais indígenas, a história da nossa música já começou cheia de influências.

Outra coisa que pode ter estimulado a diversidade de estilos é a própria diversidade de paisagens, afinal o campo pede uma trilha sonora um pouco diferente da praia, que pede uma trilha diferente da caatinga, né?

Fato é que existem vários estilos musicais no Brasil, alguns adaptados de tendências lá fora e outros bem a cara da nossa terra. Como não teria espaço no nosso texto para listar tooooodos os estilos, selecionamos os 6 principais:

Sertanejo

Um dos maiores gêneros na música brasileira, o sertanejo surgiu como uma representação do povo do interior, especialmente do sertão, como o nome sugere.

É um estilo super tradicional, que teve um começo simples: eram os caipiras que entravam com a roda de viola e começaram a compor o tal modão, cantando sobre as alegrias e angústias da vida na roça.

Hoje, o estilo já se transformou bastante e deu origem a subgêneros que o Brasil adora, como o sertanejo universitário. Mesmo se você não curte ouvir um modão no bar, não dá pra negar que nomes como Chitãozinho & Xororó e até Marília Mendonça são gigantes na música brasileira.

Samba

O samba é outro gênero que tem uma história muito antiga no Brasil: nasceu na Bahia, com influência africana, nas chamadas rodas de samba, muito parecidas com rodas de capoeira, e desembarcou pouco tempo depois no Rio, onde rapidamente se popularizou e foi se tornando parte até da nossa identidade nacional.

Tudo isso começou como uma campanha do então presidente Getúlio Vargas, que queria que o samba virasse um símbolo brasileiro — e funcionou! Afinal, quem nunca dançou um sambinha ou curtiu aquele som do cavaquinho e do pandeiro?

Quando chegaram os Carnavais e vieram as escolas de samba, então, o estilo ficou gigante. E dele veio o samba-canção, os sambas-enredo, a bossa, o pagode e vários gêneros que a gente ama. E muitos nomes do samba são grandes ídolos da música: Noel Rosa, Cartola, Pixinguinha, Martinho da Vila…

Bossa Nova

Há quem diga que a bossa é parte do samba e há quem diga que são coisas diferentes.

A gente separou porque, de qualquer forma, a bossa nova é importante demais pra não ganhar seu próprio espaço no nosso texto. Afinal, foi ela que nos deu João Gilberto, Tom e Vinícius, com essa misturinha de jazz e samba.

Além do som delicioso, a bossa é um dos elementos que os gringos mais amam (e tentam imitar) na nossa música. E afinal, poucas coisas na cultura brasileira do século XX são mais icônicas que aquela música… sabe qual? Sim, essa mesma.

Funk

O funk carioca é outro gênero totalmente brasileiro, que hoje acompanha o reggaeton como um dos estilos latinos mais exportados atualmente.

Tudo começou como uma expressão da cultura da periferia, com samples do hip-hop e letras explícitas, mas que mostravam um pouco do dia a dia dos bailes.

Goste ou não, o funk virou uma potência e hoje toca em todo o Brasil, principalmente com cantores como Anitta, Ludmilla e Kevinho. O estilo segue se transformando: temos o 150 BPM e as misturas entre funk e eletrônico, botando todo mundo pra dançar.

Rap

O rap brasileiro cresceu muito nas últimas décadas e ocupa uma grande parte do que toca nas rádios. E é claro que teria a cara do Brasil: são letras que falam da realidade de quem mora no nosso país, especialmente nas periferias.

Dos duelos de MC’s nas capitais, já saíram nomes importantíssimos pra gente hoje, como Criolo e Emicida.

O rap também se mistura muito com o pop, MPB, e gera colaborações entre vários artistas fenomenais.

MPB

Como definir a música popular brasileira? Talvez a melhor explicação é que não há definição: a MPB representa a junção de vários estilos e influências, com artistas diversos.

Mas o que a gente conhece como MPB surgiu lá na época da ditadura militar, com alguns gigantes da música: Caetano, Gilberto Gil, Chico Buarque, Elis Regina e por aí vai.

A música popular brasileira nos deu canções de protesto, movimentos como Jovem Guarda e Tropicália e também muita música pra curtir a vida.

E tem o que muita gente chama de nova MPB: Tiago Iorc, Anavitória, Maria Gadú e mais. Aquela música brasileira pra curtir com seus amigos em um festival, sabe?